Sesc Amazônia das Artes - segunda semana traz mostra de filmes, show musical e recital

Coletivo Cerrado Novo (TO)

Em sua primeira semana de apresentações em Boa Vista, o Amazônia das Artes foi um sucesso! Grupos de vários estados já passaram pelo palco do Teatro Jaber Xaud: Maranhão, Mato Grosso, Pará e Amazonas, com danças, cantos e teatro, que encantaram o público roraimense. Nesta segunda semana terão apresentações musicais, teatro, filmes e muito mais.

A nova etapa de apresentações se estende até sábado (17), e o encerramento ficará por conta de um coletivo Piauiense com o espetáculo 'Pinóquio e Gepeto ao sabor do vento', com classificação livre para todos os públicos.

Lembrando que para participar os ingressos são apenas 1kg de alimento não perecível, que será destinado ao programa Mesa Brasil e beneficiará diversas famílias em situação de carência. Além de colaborar com um projeto social, você ainda se diverte com uma programação cultural.

INSCRIÇÕES: Deverão ser feitas através do Ticketphone (https://ticketphone.com.br ou através do aplicativo), sendo a inscrição validada após a entrega de 1kg de alimento não perecível até 1 dia útil antes do espetáculo, no setor do Mesa Brasil no Sesc Mecejana - Rua João Barbosa, 143 - Mecejana, de segunda a sexta-feira em horário comercial (8h às 12h e das 14h às 18h). 

 

Confira a programação:

 

Exibição dos filmes do Amazônia das Artes 2019

13/08 | a partir das 15h | CineSesc Abrahim Jorge Fraxe | Gratuito (inscrição em https://ticketphone.com.br com entrega de 1kg de alimento não perecível)

 

Filmes selecionados:

Manuel Bernardino: O Lenin da Matta | Direção: Rose Panet (MA)

Marajó das Letras: Os Abridores de Letras da Amazônia Marajoara | Direção: Fernanda Martins (PA)

Limiar | Direção: André dos Santos (PA)

Juba | Direção: Severino Neto (MT)

Sabá | Direção: Sérgio de Carvalho (AC)

 

Recital 'Palavr(arma)dura' com Tatamirô Grupo de Poesia (AP)

14/08 | 20h | Teatro Jaber Xaud | Livre | Gratuito (inscrição em https://ticketphone.com.br com entrega de 1kg de alimento não perecível)

 

Sinopse: O Recital “Palavr(arma)dura” tem como foco a linguagem poética em suas múltiplas interações verbivovisuais. “Palavr(arma)dura” incorpora outras sonoridades (ruídos, distorções, sobreposição de vozes, poemas autorais e de outros poetas brasileiros e estrangeiros), criando texturas poéticas denominadas poemas sonoros.

 

Show  Musical Coletivo 'Cerrado Novo'

15/08 | 20h | Teatro Jaber Xaud | Livre | Gratuito (inscrição em https://ticketphone.com.br com entrega de 1kg de alimento não perecível)

 

Sinopse: Idealizado por uma nova geração de cantautores do Tocantins sendo eles: Diego Vicente, Fred Garibalde, Josifran, Malu Zah, Matheus Mancine, Piettro Lamonier e Thayane Nolasco, nasceu a ideia de realizar o coletivo 'Cerrado Novo' como uma forma de mostrar e fortalecer que há algum tempo vem surgindo talentos que estão dando uma nova cara para a música tocantinense. O grupo se divide no palco ora tocando, ora interpretando suas canções sem a formação de uma banda base, mas todos compartilham e interagem entre si mesclando seus trabalhos em um harmônico coletivo.

 

Espetáculo 'Pinóquio e Gepeto ao Sabor do Vento' com Coletivo Piauy Estúdio das Artes (PI)

17/08 | 20h | Teatro Jaber Xaud | Livre | Gratuito (inscrição em https://ticketphone.com.br com entrega de 1kg de alimento não perecível)

 

Sinopse: “Pinóquio e Gepeto ao Sabor do Vento”, é uma adaptação dramatúrgica de Adriano Abreu para o texto original de Carlo Collodi (As Aventuras de Pinóquio – História de Uma Marionete), abordando cenicamente um dos maiores textos da literatura universal. A temática mostra a descoberta do mundo pela “criança boneco”, e a sua relação com diversos personagens, mas principalmente, com seu criador e pai, Gepeto. O elenco traz ao palco a primeira montagem para crianças e jovens do Coletivo Piauhy Estúdio das Artes, grupo que é referencia de grandes espetáculos no Piauí e fora dele. Pinóquio é, sobretudo, um ser em desenvolvimento que aprende com os desafios, erros e acertos que aparecem na sua incrível jornada. Nessa aventura o personagem humaniza-se, humanizando os espectadores, em um trabalho cênico de alto rigor estético, que caracteriza as montagens do Coletivo. O espetáculo certamente encantará pais e filhos. A peça é arte feita para crianças assistirem ao lado de seus pais e, juntos, refletirem sobre o mundo, as belezas e dificuldades que nos cercam.

 

Sesc realiza palestra sobre turismo comunitário em Roraima

'Roteiros Turísticos de Base Comunitária em Roraima', traz consultor e historiador Cadu de Castro para palestra sobre turismo comunitário. O evento acontece na próxima sexta-feira, 09 de agosto, às 18h30, no CineSesc Abrahim Jorge Fraxe (Sesc Mecejana) e é aberto para a comunidade. O ingresso é 1kg de alimento não perecível. Os interessados em certificação, podem se inscrever em http://bit.ly/33gv04A.

Com duração de aproximadamente uma hora, a palestra tem como objetivo apresentar as metodologias de excursões no turismo comunitário, e tem como público-alvo os estudantes e guias de turismo, empresários do ramo turístico e lideranças indígenas. Além de celebrar o Dia Internacional dos Povos Indígenas.

O turismo comunitário proporciona aos participantes maior conhecimento da cultura e dos costumes, além de  desenvolver atividades que valorizem a história, os saberes, fazeres e identidades locais. Roraima tem muitas áreas propícias para realizar esta modalidade do turismo, como a Raposa Serra do Sol, Serra do Tepequém, e o município de Pacaraima, por exemplo.

Excursão - O primeiro destino é a Serra do Tepequém, com passeio nos dias 10 e 11 de agosto, onde os participantes poderão participar de uma roda de conversa em uma vivência de garimpo. Restam poucas vagas! Os interessados em se inscrever devem procurar uma das Centrais de Relacionamento com o Cliente: Sede Administrativa - Rua Araújo Filho, Nº 947, Centro ou Academia Sesc - Rua João Barbosa, Nº 143, Mecejana. Dúvidas e mais informações: 3624-9858 ou 3212-2800.

Cadu de Castro - é historiador com especialização em história colonial regional, pós-graduado em gestão ambiental, guia de turismo e fotógrafo. Foi professor universitário para as disciplinas de História Regional e História da Arte, e Roteiros, para o curso de Turismo da UNIBERO; e em cursos de guia de turismo do SENAC-SP. Desenvolve projetos de turismo social e especialmente turismo de base comunitária, na comunidade indígena do Ro Silveiras, em Bertioga; de moradores de cortiços, em Santos; com refugiados sírios e congoleses, em São Paulo; com comunidade caiçara, em Bertioga; com quilombolas, em Ubatuba e em morros no Rio de Janeiro.

Sonora Brasil abre espaço para música feminina e indígena

O Sonora Brasil chega à sua 22ª edição com números que justificam o título de maior projeto de circulação musical do país: já alcançou 750 mil pessoas, com 6.098 concertos, de 85 grupos, em mais de 150 cidades brasileiras. Ao todo, 431 músicos já se apresentaram no circuito, que a cada biênio aborda duas temáticas diferentes e promove a circulação dos artistas por todas as regiões brasileiras. Em 2019/2020 os temas apresentados serão “Líricas Femininas - A presença da mulher na música brasileira” e “A Música dos Povos Originários do Brasil”. Em Boa Vista, o projeto será realizado entre os dias 7 e 10 de agosto, na Sede Administrativa do Sesc - centro.

Uma curadoria formada por profissionais do Sesc de todo o país é responsável pela escolha dos temas e grupos que integram a programação do Sonora Brasil. O tema “A Música dos Povos Originários do Brasil” será apresentado por meio de quatro circuitos, com dois grupos diferentes em cada, mostrando um pouco da diversidade musical e estética dos povos indígenas. Os circuitos são compostos pelos grupos tradicionais: Teko Guarani, do povo Mbyá-Guarani (RS) e Nóg gã, Kaingang (RS); Dzubucuá, do povo Kariri-Xocó (AL) e Memória Fulni-ô, Fulni-ô (PE); Opok Pyhokop, do povo Karitiana (RO) e Wagôh Pakob, do Paiter Surui (RO); e pelo grupo Wiyae que reúne os trabalhos da artista indígena Djuena Tikuna (AM) e da cantora e pesquisadora Magda Pucci (SP) do grupo Mawaca.

Já o tema “Líricas Femininas – A presença da mulher na música brasileira” busca dar visibilidade à produção das mulheres, que por muito tempo foi pouco reconhecida. Ao todo serão 14 artistas, compositoras e intérpretes que apresentarão ao público em quatro circuitos os programas compostos exclusivamente por obras de compositoras e letristas brasileiras reunidas especialmente para o Sonora Brasil.

Até o fim de 2019, os 63 artistas dos dois temas farão 350 apresentações, em 97 cidades. O tema “Líricas Femininas” circulará pelas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste enquanto o tema “A Música dos Povos Originários do Brasil” seguirá pelas regiões Norte e Nordeste. No ano seguinte os grupos invertem as regiões fazendo com que todos circulem por todo o país.

 

Sobre os temas:

 

Líricas Femininas - A presença da mulher na música brasileira

Por meio de uma abordagem cronológica, as Líricas Históricas apresentarão repertório com a obra e a história de compositoras representantes de várias fases da música brasileira. O grupo é formado por Gabriela Geluda, Anastácia Rodrigues, Priscilla Ermel e Vanja Ferreira.

Líricas Modernas abordarão repertórios da atualidade, com estética próxima da música popular, valorizando a experimentação e o uso de recursos expressivos inovadores, especialmente na voz. O grupo é formado por Lucinah, Badi Assad e ReginaMachado.

Líricas Negras apresentará repertório ligado às tradições afro religiosas e obras que remetam aos elementos estéticos da cultura africana, somando vozes de resistência a elementos percussivos. O grupo é formado por Geórgia Câmara, Negravat, Rosa Reis e Vanessa Melo.

Líricas Transcendentes apresenta repertório relacionado às tradições musicais do meio rural, considerando o uso da música como meio de comunicação com as divindades. O grupo é formado por Déa Trancoso, Ceumar e Cátia de França.

Música dos Povos Originários do Brasil

A música é um dos elementos mais ricos da cultura e arte indígena e uma porta de entrada privilegiada a um universo tão diversificado ainda desconhecido. O tema 'A Música dos Povos Originários do Brasil' será apresentado por meio de quatro circuitos, com dois grupos diferentes em cada, mostrando um pouco da diversidade das manifestações sonoras indígenas, presentes em ritos e festejos. Com cantos, danças e instrumentos de cordas, sopro e percussão, três circuitos trazem grupos tradicionais, apresentando suas tradições culturais e cotidiano das aldeias. O circuito Wiyae apresentará um repertório de arranjos elaborados com utilização de instrumentos musicais não indígenas e o trabalho composicional e artístico de uma indígena da atualidade, mostrando as novas perspectivas sobre identidade cultural desses povos. 

 

Confira a programação completa:

 

Espetáculo Musical: Grupo Dzubucuá Do Povo Kariri-Xocó (AL)

Dia: 07/08/2019  

Horário: 16h

Local: Sesc Sede Administrativa - Rua Doutor Araújo Filho, 947 - Centro

Entrada: 1(um) kg de alimento não perecível

Classificação: Livre

Sinopse:  Os Kariri-Xocó vivem na região do Baixo São Francisco em Alagoas e, em 2010, somavam cerca de 2000 indivíduos. Música tradicional dos Kariri-Xocó, o toré é um ritual indígena mágico-espiritual que envolve performance corporal e música. 

 

Espetáculo Musical: Grupo Memória Fulni-Ô Do Povo Fulni-Ô (PE)

Dia: 07/08/2019  

Horário: 16h

Local: Sesc Sede Administrativa - Rua Doutor Araújo Filho, 947 - Centro

Entrada: 1(um) kg de alimento não perecível

Classificação: Livre

Sinopse: As músicas tradicionais do povo fulni-ô são o toré e a cafurna. O Toré é um ritual sagrado, cântico coletivo vocalizado sem letra, sendo o único canto que usa instrumentos de sopro junto à percussão e que, segundo seus praticantes, é o mais antigo dos Fulni-ô. 

 

Espetáculo Musical: Grupo Wagôh Pakob Do Povo Paiter Surui (RO)

Dia: 08/08/2019

Horário: 16h

Local: Sesc Sede Administrativa - Rua Doutor Araújo Filho, 947 - Centro

Entrada: 1(um) kg de alimento não perecível

Classificação: Livre

Sinopse: Os Paiter Surui vivem em Rondônia, na terra indígena Sete de Setembro é constituído atualmente por uma população de aproximadamente de 1500 pessoas pertencentes às linhagens clânicas: Gãmeb (marimbondo preto), Gãpgir (marimbondo amarelo), Makor (taboca) e Kaban (fruta azeda mirindiba).  

 

Espetáculo Musical:  Grupo Opok Pyhokop Do Povo Karitiana (RO)

Dia: 08/08/2019

Horário: 16h

Local: Sesc Sede Administrativa - Rua Doutor Araújo Filho, 947 - Centro

Entrada: 1(um) kg de alimento não perecível

Classificação: Livre

Sinopse: A música tradicional do povo Karitiana é fortemente relacionada ao sagrado. Os anciãos são enfáticos nas orientações sobre a execução dos cânticos de proteção e de aplicação de remédios pelo pajé, que, por exemplo, devem ser cantados sempre da mesma forma e sem os instrumentos de sopro. 

 

Espetáculo Musical: Grupo Teko Guarani Do Povo Mbyá-Guarani (RS)

Dia: 09/08/2019

Horário: 16h

Local: Sesc Sede Administrativa - Rua Doutor Araújo Filho, 947 - Centro

Entrada: 1(um) kg de alimento não perecível

Classificação: Livre

Sinopse: o Grupo Teko Guarani está localizado na Aldeia Tekoa Anhetenguá na Lomba do Pinheiro em Porto Alegre, onde vivem 16 famílias Mbyá-Guarani.  É um coral infantojuvenil que tem por característica a força e o brilho vocal. Utilizam o mbaraká (violão) com cinco cordas, cada corda representa uma divindade Mbyá: Tupã, Kuaray, Karaí, Jakairá e Tupã Mirim. 

 

Espetáculo Musical: Grupo Nóg Gã Do Povo Kaingang (RS) 

Dia: 09/08/2019

Horário: 16h

Local: Sesc Sede Administrativa - Rua Doutor Araújo Filho, 947 - Centro

Entrada: 1(um) kg de alimento não perecível

Classificação: Livre

Sinopse: O Grupo é composto por indígenas de diversas aldeias Kaingang da região de São Leopoldo no Rio Grande do Sul. Os Kaingangs habitam o Sul e Sudeste do Brasil há séculos. A população é composta atualmente por, aproximadamente, 30 mil pessoas que habitam cerca de 30 diferentes áreas nos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Através das pinturas corporais, utilizando linhas e/ou formas circulares, é possível identificar quem são os Kamé (marcas compridas) e os Kairú (marcas arredondadas). 

 

Espetáculo Musical: Grupo Wiyae 

Dia: 10/08/2019

Horário: 16h

Local: Sesc Sede Administrativa - Rua Doutor Araújo Filho, 947 - Centro

Entrada: 1(um) kg de alimento não perecível

Classificação: Livre

Sinopse: O grupo Wiyae, que significa canto na língua Tikuna, foi criado especialmente para o projeto Sonora Brasil. No repertório, além de músicas do povo Tikuna, estão composições próprias e músicas de outros povos indígenas recolhidos em pesquisas, que serão apresentadas a partir de recriações e arranjos artísticos.

RECENTES

16
Ago2019
Jovem roraimense é selecionado para circuito 'Arte da Palavra' 2020
14
Ago2019
Exposição artística 'Piatai Datai' dá foco às singularidades indígenas
13
Ago2019
Inscrições abertas para etapa Boa Vista do Festival Literário
12
Ago2019
Sesc Amazônia das Artes - segunda semana traz mostra de filmes, show musical e recital
06
Ago2019
Sesc realiza palestra sobre turismo comunitário em Roraima
05
Ago2019
Sonora Brasil abre espaço para música feminina e indígena