FEIRA DE CIÊNCIAS

PANCS - Como identificá-las? Parte 2

Malvavisco

Essas flores avermelhadas e sempre meio fechadas, que se parecem com as do hibisco, podem ser consumidas cruas, como decoração de saladas e pratos, ou na forma de geleias e chás. As folhas mais jovens também são comestíveis e podem ser preparadas como a couve, picadas e refogadas. As infusões feitas com a flor do malvavisco ficam lindas, com uma tonalidade cor-de-rosa.

 

 

 

Cururu ou Bredo

É o típico mato que nasce em qualquer lugar que tenha um pouquinho de terra e sol. Cresce muito e rápido, por isso é facílimo de ter no quintal de casa (é praticamente uma praga na agricultura). Saboroso, é um tipo de espinafre, portanto pode ser consumido da mesma forma. Não se esqueça de sempre cozinhar ou branquear antes de comer, para remover fatores antinutricionais, como ácido oxálico (também presente no espinafre comum, aliás). Cozido e refogado, fica uma delícia!

 

 

 

Trevo

Esse é o de três folhas. Considerado por muitos uma erva-daninha, nasce à toa por vasos, jardineiras, quintais e calçadas. É tão banal que muitos nem se questionam se é uma planta comestível. Folhas, talos e bulbilhos podem ser comidos. É uma planta rica em ácido oxálico, por isto não deve ser comida em grande quantidade.

 

 

 

Murici 

Fruto de sabor adocicado muito comum na Amazônia. Quando guardado com água na geladeira, dura mais de um ano. A casca fina é comida junto com a polpa, que tem sabor ácido e de um salgadinho que lembra queijo, já o caroço pequeno no interior é usado para fazer bijuteria. 

 

RECENTES

15
Abr2019
Sesc Roraima abre as portas de sua nova biblioteca
08
Abr2019
Escola Sesc de Ensino Médio abre processo seletivo para 2020
05
Abr2019
Sesc promove manhã de atendimentos gratuitos no bairro Mecejana
25
Mar2019
Caravana do Sesc Comunidade abre calendário com ação no Cantá
22
Mar2019
"A Escola Sesc nos deu potencial para alcançar nossos sonhos", diz aluno aprovado em vestibular da UFRR
21
Mar2019
No Dia Internacional da Síndrome de Down, colaborador do Sesc conta sua experiência de trabalho